Troca de papéis

Na minha época não era assim, aliás, era bem diferente! Criança não respondia, não questionava, não levantava da mesa a cada milésimo de segundo, não tinha babá, folguista e mais um monte de “nãos” que a gente conhece bem. Ok, mas o mundo mudou. E agora, fazemos como?

Enquanto muita mãe se descabela, literalmente, para tentar entender as questões acima, algumas delegam as babás, outras as escolas e algumas esquecem o quebra braço diário e resolvem usar outras “táticas”. Sim, porque educar hoje em dia é um jogo, com direito a disputas e vencedor no final. Ultimamente, são as crianças que andam chegando ao final vitoriosamente – ou ao menos aparentemente.  Mas e ai, como é que a gente vira esse jogo?

Educando. Agora prepara porque educar dá trabalho. Precisa parar de gritar do sofá e ir lá, pegar teu filho pela mão e levar, talvez até com 9 anos ainda, pra tomar banho ou escovar os dentes. A sensação é de que muitos já se perderam na forma de educar e colocam a culpa no bombardeio de informações, na tecnologia, na TV e até na escola. Ok. Alguns têm culpa no cartório sim. Mas educação é pai e mãe quem dá. Não é escola. Escola escolariza, como diz o filósofo Mario Sergio Cortella. Formar um ser humano é responsabilidade dos pais e isso não pode ser delegado a ninguém. Essa é a diferença básica entre ensinar e adestrar.

Mas senta ai e não levanta que eu tô falando! Não! E não responde quando a mamãe fala, senão você vai pro castigo pensar. Opa! E não é que pensar virou castigo. Como assim? Tá tudo invertido mesmo. Pensar deveria ser prêmio. Aliás, o que as crianças mais fazem hoje em dia é pensar. Brincam pouco e pensam muito. Mas é isso. O mundo mudou e hoje crianças estudam em escolas que as colocam pra pensar. São elas que constroem o pensamento e chegam a conclusões. O professor apenas guia, dá as ferramentas. Isso forma crianças mais questionadoras, investigativas e curiosas. Bingo! E dai queremos que elas fiquem quietas, que não respondam e não façam perguntas. Inversão de papéis de novo. Se estimulamos a questionar, precisamos nos preparar para responder e para lidar com essa criança que é hoje questionadora. E que fique claro: disse questionadora e não mal educada.

Pergunto: até que ponto, será que pais não têm que olhar essa geração de forma nova, diferente? Parar de esperar deles algo que já se foi, que não pertence mais a essas crianças. Talvez esteja aqui a resposta pra tanto pensar. Porque estamos sempre em busca de algo que não existe mais. Precisamos resgatar conceitos que se perderam com a velocidade do tempo e da tecnologia sim, mas precisamos também aprender a lidar com o que temos e olhar o futuro sem nostalgia do passado.

Enquanto a gente vive esse choque de uma educação ainda cheia de valores perdidos e totalmente subvertida, as crianças andam soltinhas por ai, com uma independência aparentemente madura. Vale a gente lembrar que se educa para a vontade através da liberdade. Isso é a auto consciência. Difícil? Imagina! Tá baba!

publicado em: http://vida-estilo.estadao.com.br/blogs/kids/troca-de-papeis/

Web Kids

Ambiente ideal para comprar, vender e doar, móveis, brinquedos e artigos, novos e seminovos, para bebês e crianças.

Posts Relacionados

thumbnail
hover

O que fazer com itens de...

Não precisa ser papai ou mamãe de filhos pequenos para saber que eles crescem rapidamente. Com isso, muitos itens de bebê, como brinqued...

thumbnail
hover

Como fazer crianças conhecerem e gostarem...

O contato das crianças com a música gera inúmeros benefícios. Ela é um incentivo para que os pequenos se interessem pelo universo cu...

thumbnail
hover

5 dicas para fazer a mala...

Viajar com as crianças tem tudo para ser uma delícia, mas se você não levar itens certos e suficientes para os dias que vão passar fora...

Deixe-nos um comentário